12 junho 2010

LISBOA LUANDA, SEM TIRAR FORA



Saiu-se entre duas águas. Navio(zinho) pronto, logo pela  manhã procedeu-se, informalmente  ao mudar da bandeira.
Não houve comes e bebes, o que deu algum jeito, dados o atrasado da hora e o apetite de alguns tripulantes, como verifiquei mais tarde; e tardiamente.



Entre percalços, insultos e quejandos, lá se içou a bandeira correctamente, com o facalhão para cima e a estrela para baixo.

De Lisboa saíram o Montevil, que era a minha montada, e o Caramujo  a do Fernando Cagaréu. Poucas milhas afora, já se tinha esta vaga " roliça", que na primeira noite deu para dormir embalado, com os anjos.Um pouco mais à frente, esperava-nos outro rebocador, novinho ( zero kms, no dizer dos responsáveis) que  vá-se lá saber porquê,  foi feito em Espanha. Só a nossa especialização em " serviços " para explicar.
Os velhos são de cá, de 1981.

Este fim de dia, sem direito a raio verde que só foi visível lá para o o Atlântico Sul ( julgo eu que se viu;  que a minha credibilidade estava em jogo  entre os tripulantes, todos benfiquistas) esperou-nos lá por fora.
Não é seguramente "a viagem da vida" , mas é das mais marcantes. Pelas dificuldades, pelo que se improvisou, pelo que se fez, e ainda mais pelo que não se fez.Nunca se esquecem estes momentos, sempre junto à água. 55 nós de vento vindos do nada, no meio de perto de 40 graus de temperatura e 110 % de humidade.´Chuva horizontal em 20 segundos. Mas depois conta-se.

Sem comentários: