14 setembro 2018

FURACÃO HELENA E OS AÇORES OCIDENTAIS

O caminho e as condições que se esperam, às horas indicadas à direita. Igualmente, a provavel chegada às LAJES, conforme indicado , dia 16 01 horas Zulu





O MAR - VAGA - para a hora indicada

 E o VENTO expectavel .




09 setembro 2018

A GUERRA DA HORA


     Chegados aos finais do verão, ( e também ao principio dos calores), temos sempre de falar da mudança da hora.
     Independentemente da questão da mudança da hora se ter transformado em questão económica - para travar o  consumo mandam-se as pessoas para casa de noite , fazendo do horário da  manhã  o cavalo de batalha, diz-se e desdiz-se o que se deve e não deve.
     Veja-se o que pode alterar - e o que tem alterado, com base nas certezas do Bandarra:
     A visão tem eu excelente artigo , onde:


     

Conforme se pode ver, a infografia mostra  uma versão do famoso " casaco do pobre", que para abotoar bem  à frente, descose-se atrás. O que se tira de manhã, dá-se à tarde.... E é neste dar que está o busílis..... Económico.
        Mas vejamos a dança do Sol, e o acompanhamento dos relógios.
       A hora legal é-nos dada a partir de uma referencia - fuso 0 - meridiano de Greenwich. que marca o começo das medições. Para a esquerda,  Oeste , tira-se tempo. Para a direita, Este, soma-se tempo. O Sol já por lá passou, antes. Portanto mais tarde.
Mas porquê fusos? Porquê o seu distanciamento?
      Agora é que começa a dança do Sol. O Sol, no movimento aparente no espaço, percorre uma volta completa à terra, em - simplificando um pouco - 24 horas. o que, dividindo  o espaço  ( 360º), temos 360/24=15º. É isso que o sol percorre numa hora. 15º de arco são então 60' de tempo. Ora bem, alguém que viva a 15º  (São 900 milhas náuticas, em 1 hora) de arco da referencia, estaria portanto desfasada 1 hora; isto é a uma hora de distancia.  Temos o fuso. a 30º temos mais um fuso, e que será positivo se for para ESTE, ou negativo se for para Oeste. E assim por diante. 




 Depois claro, o que era a principio simples, e que significava acompanhar o Sol, por tão simples, complicou-se.  E da imagem acima resulta que, onde a mão do homem não alcança, os meridianos são exactamente como nasceram. " Gomos" de 15º, alinhados como Deus mandou. Entra-se em terra- Humanidade, e é o Xico dos Pipos, a dançar.

Ressalta disto tudo:
1hora em tempo equivale em arco a 15º. O Sol percorre no que conseguimos ver, um arco de 15 graus. Daqui saem então os relógios solares. Resta acrescentar que cada terra terá o seu horário solar, desde que difiram em longitude. Reduzindo a escala para o minuto, temos que por cada 4 minutos de tempo, corresponde  1º de arco. Ou ainda 1 minuto de tempo, ser .25º
A longitude de Albarraque, onde estou é de exactamente  9º35´ Oeste. e neste preciso momento, fruto do que atrás está dito, são 14h12m legais, e 12h 34m solares. É a nossa relação com o Sol. 1h e 38 minutos afastados.
                Também há que convir que a hora que nos aproxima mais do Sol, é SEMPRE A HORA DE INVERNO. Teríamos amanheceres  cerca das 04h30m. e por do Sol  cerca das 19h30m. Estaríamos 38 Minutos afastados do Sol. Se se atrasassem os relógios 30m, então acompanharíamos o Astro Rei, como já se fez, muitos anos.
Mas a Economia......
PS:
"Dec. Lei de 26 de Maio de 1911: definiu que a partir de 1 de Janeiro de 1912, a Hora em Portugal deixava de ser local (meridiano de Lisboa, OAL) e passava a reger-se pelos Fusos Horários da Convenção de Washington (1884), colocando a hora do continente no Fuso das 00:00 horas (Greenwich). Estabelece ainda este Dec. Lei no seu Art. 4º que as horas entre o meio-dia e a meia-noite sejam designadas com os números das 13 às 23, e que “A meia-noite, neste caso designa-se por zero” horas. Assim, a Hora Legal em Portugal Continental foi adiantada de 36m 44,68s, ou seja a diferença de longitudes entre os meridianos do OAL e de Greenwich."