30 abril 2010

A MARINHA COMO TRADIÇÃO


          Forma inteligente de marcar o ESTIBORDO e o BOMBORDO em alguns  navios mercantes que nos visitam. Assim, fica defenitivamente posto de parte a solução da pedra na mão direita.

          O Luis Miguel Correia conta no seu Blog, que um secretario de estado, não importando quem, lhe terá referido que Portugal não precisava de Marinha Mercante.
Como aliás não precisa de agricultura. Tão pouco a industria lhe fará falta. A pesca também ja sabemos que é de todo dispensável.
Não sei o que nos resta; Mas com toda a certeza,  gente como este secretario não pode.....
Mas agora, - rude golpe - soube que importamos esperma, para " cobrir" as necessidades; Nesta ansia de tudo importar, não faltará importar também alguém para a cobrição, garantindo-se assim a frescura do esperma.

Sem comentários: