20 novembro 2010

CANAIS EM LISBOA, 18NOV10


 Lisboa, como grande(?) cidade capital  que o é, é como a MASTER CANNIBAL de todas as povoações ribeirinhas.Todas vivem de e para Lisboa, que em dialecto ATESO se escreve Lisboa, contribuindo assim para os seus números.


A canibalização nota-se sobretudo ao  nível das estruturas das terriolas, bem bonitas por sinal, que a rodeiam. Veja-se Montijo, Seixal, Almada ou  Cacilhas, onde tenho almoço diário marcado com o luxo da simpatia, a grandeza da qualidade e o pormenor da escolha, tudo a um preço que corroba o que atrás digo - 8 Euros, para desapertar 2 furos no cinto. Nem o Veiguinha, para comer assim.Deve ser a terra com mais restaurantes por metro de caminho. O sr. Zé e a Dª São sabem da poda.Mas falava-se das terras que envolvem Lisboa, e definham à sua sombra. Hoje são depósitos de reformados, onde se conversa ao sol de Inverno, a ver o transito para Lisboa. Também a juventude marca presença, por enquanto, até abalar para um emprego, em Lisboa.Estas terras têm todas, e sem excepção, cafés, colectividades e escolas até ao secundário. E as tais estradas.

Os canais , como o da fotografia , são mais caminhos para o êxodo diário,de milhares e milhares , na busca de algo mais. Aqui , nesta manhã de calmarias um navio da Soflusa, a preparar mais 600 saídas.

Sem comentários: