31 janeiro 2012

A REBOQUE E COM TIMOR NA PROA



É o que nos dia a fotografia de ontem. O barquito é o Antares.


Ficheiro:Scorpius constellation map.png






CAPE TOWN DISPATCH


Vamos à doca.






E o gosto das panoramicas.....


É um dos maiores navios postos " a boiar" pelo homem.
Rachou e pouco faltou para se afundar com 400.000 tones de minerio de ferro. Para a China, pois claro. Que também o construiu. E só navegou cerca de 4 meses.

The Vale Beijing is part of Vale’s plan for  a fleet of 35 mega-ships.

Comparativo do menino.
Tudo isto se passou no Brasil. Imaginem se tem ido para o charco, teria tramado o segundo maior porto do Brasil. Só!
Razões para tal acidente?? As rachas são semdúvida sinal de deficiente construção, má qualidade da supervisãso e pior ainda dos materiais.




29 janeiro 2012

 
Um rebocador com 95 metros, mergulhado 7,5 metros, tem de ser coisa séria.
Depois,  não estranhamos as 180 toneladas de tracção, tão pouco os seus mais de 20 nós.



Operação  / Vel.   Consumo         Permanência             Alcance

Navegar

Velo. Max
(20+ nós)                 42 Ton/dia        38 dias                18,240 Nm
Economical Speed
(13 to 15 nós)         22. 5 Ton/dia     70 dias                23,520 Nm

Com Reboque

Plataforma ou
similar
(4 to 5 Knots)          40 Ton/dia        40 dias                 4,320 Nm

Navio
FPSO
(6 to 7 Knots)         40 Ton/dia        40 dias                 6,240 Nm

Assim se faz no cú do mundo, onde deixamos outrora uma pegada de gigantes.


Os navios que escalam os portos de África, são, sem excepções de monta, navios extraordinarios. Alguns pela longevidade alcançada, fazem-se notar, nunca nos portos da África do Sul.
Outros, é pelo aparelho, pela forma, ou até para o que são concebidos.


No ultimo caso, este exemplo marcante de tractor dos mares. Lavra, ara, e colhe.
No caso, diamantes marítimos.

27 janeiro 2012

SUNDOWNER REGATTA

 Os Capetonians, com tanto mar e tanto vento, claro que tinham de acabar a regatear. São muitos, os que ao final do dia ( 4 da tarde) se encontram no meio da baía para umas bananadas de gozo e de chorar por mais.
Se bem que o vento por aqui, sopra com bastante intensidade - nortada do sul, já aqui referida - e 4o nozes são vulgares, como os nossos 20 ou 25.Frescos portanto.

Algumas vezes, alguns mais brincalhões aproveitam o remanso do porto para umas acelaradelas de jeito.
Para consolo dos olhinhos do escriba.

26 janeiro 2012

GUESS WHO



Com a fardinha da noite, brioso. Para os UK é briosa.


Os navios têm alma,  normalmente são teimosos e só fazem o que lhes apetece; são pois  , para os ingleses., do sexo feminino.

25 janeiro 2012

SIPPING NEWS


Todos os dias somos surpreendidos pelas maravilhas que a técnica traz até nós.

O shipping, não sendo uma área que ocupe um lugar de destaque nas nossas atarefadas vidas, não deixa por isso de ser menos entusiasmante, para os mais atentos. Para os outros será uma forma de assobiar.

Veja-se na fotografia " supra" ( é assim que se diz??) o novo tipo de navio graneleiro para canais mais estreitos.  E repare-se também na facilidade com que este gigante, atraca numa qualquer curva de um porto. E não é só.

Como todos os gigantes dos mares, neste caso, dos caneiros, tem as suas limitações, mas que o não tornam menos atractivo para armadores mais ambiciosos, como os portugueses.

E o interesse do navio começa no facto de  este grande navio estar projectado para os canais a construir em Portugal entre Ílhavo e Penalva do Castelo com  as empresas da área M Engil e Cia  se encontrarem já em fase de projecto para este canal só com as ditas curvas para a direita.

Claro que ainda sobra a questão do regresso, só com curvas para a esquerda, mas para isso fazem-se mais navios, desta vez curvados para outros lados.

24 janeiro 2012

CAPE TOWN TODAY

         
 Por aqui e para mim, Cape Town amanheceu com 1 navio chegadinho de chegar, e outro a preparar-se para largar.  O nosso velho conhecido Queen Mary 2, que daqui se prepara para ir para a Austrália, cindo de Southampton, Madiera (- AIS dos meninos) e Tenerife.
Nesta altura, vai para Durban, depois Austrália, Indonésia Japão, até voltar em Maio novamente para a Europa.
Entre esta vida toda, teve tempo para, pasme-se, mudar de bandeira, do  famoso Union Jack arrumado no vermalhidão albiónico, para uma menos fleumatica Bermudesa. Isto antes de ontem, segundo reza a historia recente do navio.


O de saída, não tem a carisma do paquetaço, mas faz a sua vidinha.


Maravilha do meu telemóvel, que faz destas coisas. E bem, penso eu de que.....

23 janeiro 2012

MACACADA

           Salvaguardando a Natureza, pela sua natureza, parece-me que estou em  Portugal.
Eu explico; muitos macacos, a fingir que fazem alguma coisa, mas no fundo só se preocupam com a sua própria barriga.


Se bem que alguns,  deviam olhar para trás,  e reconsiderar.

 A rapaziada que aí vem, essa está na expectativa.

Enfim coisas de macacos, que os há desde o extremo Norte do Continente Africano, ao ponto mais ao Sul do mesmo continente.
E também os há na Europa, com fartura.
Em Gibraltar, que é que pensavam??

22 janeiro 2012

TABLE MOUNTAIN CABLEWAY


          A Bilheteira. Deixamos aqui 195 Rands. são perto de 20€. É uma estrutura maciça e funcional. Largas bichas encaracoladas despacham-se em questão de uma dezena de minutos.Claro que é aqui que está metade do apoio aos carroceis.


Vista da estrutura cimeira, lá bem no alto do monte, que dizem eles é mais velho que o.....
E que já esteve debaixo de água. De molho.

          
O buraco, que o chauffeur da trotineta não pode perder de vista, sob risco de nos estamparmos no Oceano Indico, isto é, do outro lado do mundo.


 À chegada lá acima, a visão é breathtaking, ou pelo menos foi o que ouvi. É difícil ver mais, pois é muita gente encaixotada.


Parte do sistema de ancoragem da estrutura superior.


Desembarque do carrocel. Imprescindivel olhar para baixo.

AS TERMAS


          E não é que na minha busca incansável da mente e corpos sãos , me deparo com este belo estabelecimento termal, de portas escancaradas, com belíssimas águas cristalinas  brancas e melhores águas ferrosas - tintas - , se é que isso é possível??
Imagine-se que o Touriga Nacional, emigrado para aqui não sei quando, está que nem peixe na agua....


À chegada às termas, ali para uma terrinha chamada  Paarl, junto ás montanhas do mesmo nome.

21 janeiro 2012

INHABITANTS OF TABLE MOUNTAIN


 O estorninho , Onychognathus morio (Red-winged Starling) ou simplesmente  starling por aqui.
Nós chamamos ao gajo estorninho. Há depois quem acrescente " de asa castanha".


Damão-do-Cabo (Procavia capensis).É um rato esquisito.






Maravilha das plantas deitadas. Mantêm a horizontalidade de uma forma perfeita.
Com a máquina ao alto, a sua caracteristica principal é a verticalidade.


Pito Kantropus Erectus de olhos verdes. Comum por aqui, felizmente. Com  a roupagem de verão, encanta. Não vale ampliar a fotografia.

ATERRAR NO CABO


A relação das dimensões está aqui bem patente.


 São navios que trazem ou levam carga, abastecem, mudam tripulações, reparam as avarias, enfim, usam os portos para o que é necessario. Para isso, os portos só têm de ser concorrenciais.Para isso, têm de se diferenciar  pelos serviços, pela qualidade dos mesmos, ou simplesmente pelo preço.
Como em tudo na vida.
As cocagens, por aqui, chegam a marcar-se com 1 ano de antecedencia.... Just in case.


Quase que se tinha de "ensebar" o costado, carago.

MY (GANG)WAY






Assim se faz um homem, que começou por ser "Quarter Master", ma marinha real inglesa, para o aportuguesado " Córamastros"- não sei se a grafia será a correcta .
São, ( para ser correcto ERAM) marinheiros de 1ª classe, que também eram chamados Marinheiros da Ponte, em contraponto com os do convés.
Digo ERAM, -mais acima -  porque hoje temos somente um arremesso de navios e de Marinha Mercante, acompanhados de perto por  um punhado de velhotes, como eu, a dar sal a esta caldeirada infernal

CAPE TOWN NEWS


Porto de mar com muita alma. Não pára. e os navios são normalmente um regalo para a vista.
Lisboa é muito melhor, dirão os conhecedores. Tem paquetes e tudo.....






















A melhor que se ouve por cá, quando a ignorancia fala, é que Cape Town é a beirinha da água.....

20 janeiro 2012

18 janeiro 2012




Vive-se um momento de ilusão, ao preço de muitas vidas.

Ao querer fazer mais que os seus antecessores ou porventura fazer aquilo que deu fama aos cruzeiros na costa Italiana, afinal, provou ser um erro fatal.

É no mínimo temerário, fazer-se “ à  terra” daquela maneira;  Mas afinal, não o foram tantos e tantos antes de Francesco Schettino, capitão deserdado da fortuna?  Há 6 anos que dirigia aquele navio com mão de ferro, dizia-se. Provavelmente tantos quantas vezes fez as suas tangentes à ilhoca, que desta vez não esteve pelos ajustes e pregou-lhe uma valente rasteira. Mais pontapé nos tomates, que vai ficar a doer para o resto da sua vida, que não vai ser fácil….

Já temos um culpado, na pessoa do Capitão do navio. Provavelmente, a ter em atenção a hora do acidente, o Imediato, será o co-réu.

Mas o Francesco não deixa de ser, a acreditar no que se sabe, um belo filho da mãe. Em choque, ou não, não abandona o navio. Não fará falta nenhuma, no meio de tantos e tantos oficiais com formação especifica . Mas faz parte da pintura. E ao abandorar o quadro, borrou a pintura toda.. Mais ainda quando telefona para a Guarda Costeira ( estão na moda, estes palavrões)a perguntar quantos mortos haveria no navio.  - Tu é que devias saber e estar a informar, meu filho da mãe, não a perguntar. Terá sido qualquer coisa nestes termos, o que obteve de resposta das autoridades.
 Ironicamente, num navio que deverá ter dezenas de nacionalidades, são dois italianos que bulham com a sorte. Mesmo sabendo-se que o recrutamento das tripulações, hoje em dia, acontece  de acordo com valores monetários e NUNCA pela excelência dos mesmos, não foram os “mal pagos” ou “muito mal pagos” os protagonistas principais. Ou terão sido??
Sabe-se que Imediatos, tal qual os capitães, em paquetes,   são de salão, nunca de casa de leme…..
A industria protege-se, meus filhos.
O cruzeirismo, ou a moda do mesmo, está a tremer. Sofreu uma machadada terrível!
O navio bateu e  vai-se perder, embora já haja acordo para tentar retirá-lo daquela incomoda posição.
 E bateu porque  se desviou da sua rota, presumo;  Desviou-se  para evitar outra navegação,  por  distracção do pessoal de quarto nas marcações e consultas ao variados equipamentos hoje ao dispor dos marinheiros, ou até por falha mecânica, aparentemente não notada.
Falta agora, que já se contaram os mortos, tratar dos que ficaram. E para descanso das almas vindouras, há que fazê-lo rápida, eficaz e de uma forma transparente.
Vem isto a propósito do navio, e da sua rápida transição do direito para o torto.
Todos os navios de passageiros são objecto de cuidados muitíssimo especiais durante a sua construção. Para o que aqui interessa, direi que são bastante compartimentados, por  forma a torná-los estanques.


A SOLAS ( safety of life at sea) dedica muitas e muitas paginas a legislar sob a forma de construir estes navios:

Exemplo da pag. De arranque neste capitulo:

Part B – Subdivision and stability

4 Floodable length in passenger ships . . . . . . . . . . . . . .

5 Permeability in passenger ships . . . . . . . . . . . . . . . . .

6 Permissible length of compartments in passenger ships.

7 Special requirements concerning passenger ship subdivision .

8 Stability of passenger ships in damaged condition . . . . ..

8-1 Stability of ro–ro passenger ships in damaged condition ..

8-2 Special requirements for ro–ro passenger ships

carrying 400 persons or more . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..

8-3 Special requirements for passenger ships, other than

ro–ro passenger ships, carrying 400 persons or more . . ..

De uma forma muito esquemática e aligeirada, temos a secção de uma navio, em cima. Tem tanques de fundo – chamados duplos fundos, doble bottom) e tanques laterais – wings- que no caso acima servem para lastro e possivelmente combustíveis. Da forma que são compartimentados transversalmente, também o são em comprimento, por forma a criar espaços pequenos, impermeáveis. Não sai combustível ( ou agua) e não entra nada.


O Caminho das pedras - O verdadeiro, o unico, o que o leva à ILHA.













15 janeiro 2012

SPÓÓÓÓÓRTIIIIIIIIING



Este companheiro só queria saber como iam os adeptos de Portugal. à minha resposta de bem, muito bem, abandonou-me

CAPE OF GOOD HOPE


As traseiras do Cabo da Boa Esperança, Cape of Storms, e provavelmente outros nomes bem adjectivados pelos portugueses de quinhentos.  Deram o Nome de MESA, à montanha onde me encontro.

A costa está cheia de preciosidades, e, mesmo com a agua a 14 degraus, as praias são tentadoras. Do lado do Indico sobem 10 graus.