28 junho 2009

CANEIRO DE ALCANTARA

Para quem não esta familiarizado, o Caneiro de Alcantara é um emerdário muitiissimo grande, que desagua, apesar das negações e omissões , carregado de cxxxxlhões e outros artefactões , subproductos da alimentação humana no rio Tejo, ali no chamada Avançado de Alcantara. O cheiro, nauseabundo, empastelava-se nas fragatas Espanholas Canarias e Navarra, por terra de nosotros; Dando a entender que seriam os nuetros hermanos ( ou nem por isso) a desovar os dias de mar e de prisão de ventre especialmente acumulados para nos presentear.
Mas não, a fotografia esclarece. A mancha que parece sombra, não é; É mxxxda!!!! Com uma pureza de tresandar!!!!O resto são conversas.
O Metano chamou-me a atenção. Pela quantidade. Pouco soluvel na água, estão ver .....
Era o que nos tocava, ali ao lado.....
Ora eu tinha estado a ler que na Suécia, bastavam 100 pessoas sentadas na sanita, com algum esforço, para fazer andar um automóvel. Nada de mais, diremos. Nós por ventura, as mesmas 100, fariamos andar um TGV, quiçá uma camioneta do Correia e Charlim!!!! Antes do pequeno almoço.
Bom, mas ali em Alcantara e no rio, temos o problema da Carris resolvido. E se calhar o da Transtejo, Soflusa e por aí adiante.
E a ver pela quantidade de xxxda que tem vindo à superficie, estes ultimos anitos, teremos porventura a independencia Nacional assegurada, atirado com as explorações do petroleo a 6 Km de profundidade para a calendas, e institucionalizado um novo imposto.
Sobre o papel higiénico, está claro. Porque sobre a dita, já existe há muito.

O CÉU AINDA NOS VAI CAIR EM CIMA.....

Em 2008, a RPC tinha em mãos ordens de construção de 2 500 novas unidades. Além disso, detém cerca de 25% da tonelagem mundial. Conjuntamente com a Coreia do Sul, com os seus 36%, atiram com 61% da Tonelagem Mundial. Na Coreia do Sul, unidades de grande porte. Na RPC, unidades mais pequenas.
Enquanto que até ao ano passado, a construção naval estava nas mãos de reconhecidos estaleiros, nos 2 últimos anos proliferaram perto de um milhar de estaleiros, que no nosso português, se poderiam chamar de berma da estrada (do mar, no caso). Se se pensar que em alguns casos, estes estaleiros só iniciam a actividade após receberem uma ordem de construção, podemos ajuizar da qualidade do trabalho e da especialização dos seus trabalhadores. Se é certo que a Coreia do Sul, ou o Japão tiveram este problema da especialização, também o é o facto de rapidamente terem resolvido a questão, com recurso a especialistas. Que no caso presente muita falta fazem. Dizem alguns que um bom soldador, nos anos de ouro da construção naval na Coreia do Sul podia chegar a ganhar qualquer coisa como 67.000 US dólares por mês. Na RPC, isto é impensável. Muito pelo contrario. Aproveitam o raio x feito a uma soldadura que esteja aprovada, para a fazer passar pelas outras peças. Assim, a mesma imagem, ilustra milhares de soldaduras, não correndo o risco de serem detectadas deficiências. Também o facto de haver navios novos, com o fundo dos tanques cimentados, não atesta muito do engenho desta gente. Aço retirado de demolições, é normalmente aplicado nas construções novas; Muitos destes estaleiros Sea side, não possuem gruas, ou docas, sendo que os navios são construídos um bocado ao Deus dará, como se diz. Trocar centímetros por polegadas, é useiro. Também, quando não se sabe ler um desenho técnico, tudo é possível. Depois, navios a carregar menos que o inicialmente apontado, a navegar a menor velocidade, e sabe-se lá em que condições…. E para que a cereja esteja no ciminho do bolo, há insinuações que alguns destes estaleiros ofereciam pretensamente alguns bónus ou extras aos novos armadores, se estes contratassem a Sociedade classificadora por eles indicada. Bom, também houve naufrágios na viagem inaugural. Mas o que é isso, comparado com o facto de neste momento, ELES ANDEM AÍ, sem se saber quem são, quantos são, ou como são. É caso para dizer : FUJAM!!!!!!!
Para se tentar perceber os porquês:
Em meados 2006, um determinado tipo de navio custava, a alugar 15.000 us$ por dia.
Em meados 2008, esse mesmo navio custava 175.000 us$ peças mesmas 24 horas.
Durante esse periodo, só no transporte contentorizado, o aumento da tonelagem disponivel duplicou. E não falamos em centenas de milhares de toneladas..... è de muito mais!

27 junho 2009

PRINCIPE PERFEITO

Na molhada.....
Como convèm.....

SÁBADO DE MANHÃ

Que linda falua, lá vem, lá vem.... Mais uns metros, e tinhamos o verso a rimar com a fotografia.....

MARTIM MONIZ

Se lhe disserem que o Martim Moniz É ali para os lados de Cacilhas.....
Foi um dia de azáfama. Tira navio, fundeia navio, tira navio, leva navio, atraca navio.....
Até eu estou cansado.
Sei que já todos falaram nisto; Mas expliquem-me, como se fosse loirito, o que é que vai ser destes navios???
Será para vender, para depois se poder comprar para tornar a vender, que é para poder comprar novamente, e por aí adiante??

ÚLTIMOS BORDOS

Com o risco da ponte a servir de linha, lá vai bem mareadinho.

26 junho 2009

FESTIVAL

Festival,
SVITZER, pois rápidamente o Navio de cruzeiros é esquecido.
Fica na retina, o trabalho dos rebocadores.

TRAFEGO INTENSO

E ainda falta um submarino, que se calhar, e por ser isso mesmo, não o vi.

AFONSO CERQUEIRA

O NRP AFONSO CERQUEIRA, corveta da classe Batista de Andrade, a chegar a Lisboa As corvetas são navios de escolta ou de patrulha, com deslocamentos que vão das 500 às 2000 toneladas. As corvetas aparecem na Marinha Portuguesa, no início do séc. 19 por reclassificação das fragatas mais pequenas.
Características
Deslocamento 1380t
Comprimento 85m
Boca máxima 10,3m
Calado 3,3m
Pontal 6,20m
Altura do mastro 22m
Velocidade Máx 22nós Propulsão
2 Motores OEW Pielstick 12 Pc2.2 V 400 Diesel 12.000hp
Armamento e sensores
1 peça de 100mm Creusot-Loire
2 peças Bofors de 40mm/70
1 radar de navegação KH5000 Nucleus
1 radar de navegação Racal Decca RM 316P
Guarnição
Oficiais 7
Sargentos 14
Praças 51

ACABADINHO DE CHEGAR

Foi incorporado à Marinha do Brasil, no dia 21 de maio, em Falmouth, U.K., o Navio de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) “Almirante Saboia”, em cerimónia presidida pelo Subchefe de Organização e Assuntos Marítimos do Comando de Operações Navais, Contra-Almirante Rodolfo Henrique de Saboia.
CARACTERÍSTICAS
Deslocamento máximo 6.700 t
Comprimento 137,50 m
Boca 18,30 m
Calado 4,80 m
Raio de ação: 9.200 Mn a 15 nós
Velocidade (cruzeiro/máxima.): 14/16 nós
Propulsão: 2 MCP Wartisila diesel Bow-Thruster
Armamento: 2 metralhadoras 20mm Gamb-O1Tripulação: 150 militares
Manhã de 26 de Junho 2009

25 junho 2009

O LEÃO HOLANDÊS

O Leão Holandês que não é um leão.
Tão pouco Holandês.
É um bonito navio , de esbeltas linhas, que nos delicia quando se passeia no rio. Pena que não o
faça mais vezes. E de bandeira Portuguesa.
Aqui, em FESTA, com os SVITZER a ajudar.

NILEDUTCH em Lisboa

Há muito pouco tempo, dei de caras com este grafitti. ENORME
E este navio vai continuar pelo menos até Outubro, altura em que verá de novo as cores da NILEDUTCH, a ser uma enorme paleta de grafitti, obra de cerca de 50 jovens artistas, que, de latas em mão, transformaram assim o navio.

NEM SEMPRE É A MELHOR DAS ESCOLHAS

Espero que esta não seja NUNCA a última imagem de uma embarcação. É lugrube, mal cheirosa, acanhadita e húmida. Um artista vê o trambolhão de frente. Todos os outros, por força dos assentos, sentem-no. Estão de costas. E se calhar de olhos fechados.

25 DE JUNHO 2009

Creio que será uma Première, esta imagem do "ZÉZITO". Uma força do Rio. Número IMO - 2223555 Porto de Registo - Lisboa Arqueação Bruta - 16,06 t Arqueação Líquida - 4,82 T Comprimento fora a fora - 11,22 m Boca - 3,26 m Pontal - 1,36 m Calado - 2,20 m Máquina Principal - 1 motor Diesel Cummins 190 bhp a 1800 rpm Força de tracção máxima - 4 t
Em missão de soberania, na fronteira com o Grande Sul, a nossa Unidade de Auxilio de Marinha 122.