28 março 2008

A CHEGAR AO ENFIAMENTO

Vai ajeitadinho.

JA A 090

Já se virou para leste. A frota do polvo é que é uma gaita. Por isso, eles vão por aí às gaitadas, a afugentá-los.
Há poucos dias, li num jornal de Lisboa que, só em parte de uma manhã, a Policia Maritima ( a futura Coast Guard, lembrem-se!!!!), apreendeu 750 KGS de POLVO fresco. Imagine-se o pescar desta malta!

27 março 2008

OS FO-LANG-KI

Nem sempre Portugal teve gente como a que temos agora, nas ultimas décadas, a governar; Se calhar sabia-se escolher melhor, e, de facto, há períodos na nossa historia, que nos deslumbram, pela capacidade e engenho dos nossos. Veja –se, exemplo, o que aconteceu à nossa armada comandada por Fernão Peres em 1517, aquando da chegada à China, e o espanto dos nossos ao reparar que a sua fama os tinha precedido. De facto, , os chineses comentavam que os FO-LANG-KI, nome dado a todos os Ocidentais a oeste da Roménia actual, e que se poderá traduzir segundo alguns autores por “ FRANCOS”, eram cruéis e astutos. As suas armas são superiores às dos outros estrangeiros. O estrondo dos seus canhões fez estremecer a terra ( Cantão); São extremamente perigosos devido à sua artilharia e à sua capacidade. Nenhuma arma suplanta as dos Portugueses. Pensa-se que é a partir desta data que as armas de artilharia , ganham o nome dado aos povos que as trouxeram, ou seja Fo-Lang-Ki. Na Imagem, um navio ocidental, com parte do armamento descarregado e armazenado em terra, tal o terror que os Chineses tinham dos povos ocidentais ( Portugueses primeiro) e da sua artilharia. Talvez seja ainda de referir que Portugal e os Portugueses de então , cerca de 1450 a 1500, foram os primeiros povos a adoptar a montagem das peças de artilharia em navios pequenos e de fácil manobra ( caravelas claro) , muito baixas, próximo do lume de água, facto que fazia com que ao disparar, os prejuízos e danos nas outras embarcações fossem enormes e normalmente factor de perda do navio.

25 março 2008

VOLTA REDONDA

Quem poderia ter esta graça? Sem ser engraçado.
É palhabote
Deslocamento: 76 t
Comprimento total (gurupés e retranca): 28.3 m
Comprimento do casco: 22.6 m
Boca: 4.85 m
Calado: 2.85 m
Altura do mastro: 20.25 m
Área vélica: 304 m2
Velocidade: 9.5 nós
Autonomia: 1200 milhas Foi baptizado " POLAR" e desde 1985 que anda por aí. BONITO! o N.E. Polar

24 março 2008

ENFIAMENTO

Provavelmente sem piloto. A meu ver , muito errado.

A SAIR

Airosão. É um navio. Bonito
O homem do peixe deve ter pensado que com um navio daqueles, estaria a pescar nas caríbas, não era???
Já deve ter falado com o VTS a avisar da sua saída.
Adeus.....

AGUARDAR ORDENS

Umas vezes, são os tempos que são grandes e obrigam os navios a aguardar melhores dias. Ou até pela natureza das cargas.
Outras , espera-se um frete melhor, e então há este " frete" , que é aguardar ordens. Para mim , dava para por muita coisa em dia. Até as noites....

19 março 2008

SIGA A MARINHA -2

20 de Janeiro - Rebocador não identificado, virou-se durante as operações de “ empurrar” a barca NORSUL 12 , no porto de S. Francisco do Sul, Estado de Santa Catarina, sul do Brasil. Os 12 tripulantes e o piloto embarcado foram salvos. 28 de Janeiro - Navio de carga Gerda Vesta, com 10 tripulantes, encalhou na costa de Epanomi, próximo de Salónica, Grécia. Não houve feridos. 29 de Janeiro – Navio de carga russo M/V Volga 4004 (IMO 8720216), sofreu um “ black out “ durante a travessia do canal de Kiel, em Kudensee. Entupiu o canal para o resto do dia. Foi posteriormente rebocado para Brunsbuettel a fim de ser reparado. 29 de Janeiro - Navio Ro-Ro Holandês, de 28.000 tons gross, e 295 metros de comprimento, Trica, abalroou violentamente o navio de carga Cleopatra, no canal de Kiel Os 2 navios ficaram detidos em Brunsbuettel. 30 de Janeiro - Navio de pesca F/V 102 Soyang, de 136 tons , virou-se e afundou-se devido ao mau tempo, 40 milhas ao SW de MARA , Coreia do Sul. 3 pescadores foram salvos, mas estão desaparecidos ainda 10. 30 de Janeiro – Barca de abastecimento da Marinha Peruana, BAP Supe, carregada de crude e com 17 tripulantes embarcados, explodiu e afundou-se em ZORRITOS , Norte do Peru. Todos os tripulantes feridos e hospitalizados. 30 de Janeiro – Navio tanque de 115 metros Jinyuanyou 9, embateu no navio de carga Jintaishun que se afundou de imediato, no delta do rio Yangtze,. Somente 1 dos 17 tripulantes que se acreditavam a bordo se salvou. Foram recuperados 15 corpos. As causas do incidente ainda não são conhecidas. Capitão preso, por via das duvidas. 31 de Janeiro – Rebocador de 15 m Check-Mate III, ao rebocar um ferry, embarcou mar e afundou-se na costa Este da Terra Nova Os dois tripulantes não sobreviveram. 31 de Janeiro - Navio Rol on Rol off Riverdance, encalhou próximo de Blackpool. Mar de Irlanda, devido ao mau tempo. É relatada uma FREAK WAVE. Depois de encalhar. O navio adornou 60 graus. 23 passageiros e tripulantes foram salvos. Por helicópteros. 1 de Fevereiro – Navio Indiano de transporte de tropas , INS Jalashwa, o antigo USS Trenton, e que tinha sido comprado aos U.S. A. no ano de 2007, sofreu uma fuga de gás e matou 5 soldados durante um exercício na Baía de Bengala. 1 de Fevereiro – Navio de carga indiano , Siddnath , com 17 tripulantes nacionais, com uma carga de arroz proveniente dos Emiratos Árabes Unidos para o Iraque, voltou-se durante uma forte tempestade, próximo da costa do Bahrain. A tripulação conseguiu fugir no salva-vidas e foi posteriormente salva por helicópteros. 1 de Fevereiro – Navio tanque ( aguas interiores) de 110 metros de comprimento, Eiltank 123, encalhou no Rio Reno. Navio foi aliviado e reparado no porto de Karlsruhe, onde também lhe retiraram o resto da carga. 1 de Fevereiro - Arrastão Spinningdale, com 14 tripulantes, encalhou devido ao mau tempo que se fazia sentir, na ilha de HIRTA, St. Kilda, Escócia. Todos os tripulantes, que devido ao estado do mar , se viram impossibilitados de arriar os meios de salvamento, foram salvos por helicópteros. 1 de Fevereiro – Navio de carga Capadocia (IMO 8511938), das Antilhas Holandesas, com 73 metros de comprimento, embateu e encalhou no molhe da entrada do porto de Rijeka, Croacia. Apesar das avarias serem consideráveis, o navio voltou a flutuar pelos próprios meios, no mesmo dia. O capitão , ao ser testado pelo consumo de álcool, deu positivo. Desconhece-se a nacionalidade. 2 de Fevereiro – Navio heavy lift ZEN HUA 10, de 1981, encalhou no Hoek van Holland, Maasvlakte, com vaga de 8 metros. A Tripulação – 33 – permaneceu a bordo. Não houve feridos. 2 de Fevereiro – Navio de carga refrigerada, Horncliff, de 12,887 tons, embarcou mar e perdeu 60 contentores de 40 pés, a WSW das Ilhas Scilly. O navio encontra-se em Falmouth, onde a peritagem encontrou um rombo com 46 metros no costado. Capitão seriamente ferido. & triplulante helitransportados e hospitalizados. 2 de Fevereiro – Embarcação SUN SEEKER, de 60 pés, em charter, embarcou mar e afundou-se de Imediato, próximo de treasure Island, Florida, Usa. 12 Pessoas a bordo salvas por uma outra embarcação, nas proximidades por puro acaso. A Coast Guard também foi chamada. 2 de Fevereiro – Navio de pesca Paerangi , de 2003, incendiou-se em Bremerhaven. O navio estava a ser “jumboizado”. 2 feridos hospitalizados . 2 de Fevereiro - Ferry da Scandlines Schleswig Holstein , com 142 metros de comprimento, embateu no cais em FREDERICIA, Dinamarca, abrindo um rombo de 7 metros com 25 cm de largo, pelo que adornou para o cais. Pessoal de terra conseguiu evitar que o navio se afundasse. 2 de Fevereiro - Navio Ro Ro Holandês, Kraftca (IMO 9307360),205 metros de comprimento, 640 TEU e 28.289 GT, colidiu com uma eclusa em Brunsbuettel, à entrada do Canal de Kiel, causando avarias na eclusa. Não houve feridos. 4 de Fevereiro - Arrastão de 28 m Harvester PD 98 fez da quilha portaló no estaleiro de Karstensen’s Shipyard no porto de Skagen , na Dinamarca. Os 3 funcionários a trabalhar na altura no arrastão, não ganharam para o susto e foram salvos por um rebocador que passava próximo. 4 de Fevereiro - Navio de carga de 600 tons , não identificado, da Coreia do Sul , afundou-se depois de colidir com um rebocador de 270 tons na costa Oeste da Coreia. Dois tripulantes mortos e um terceiro desaparecido.. Salvaram-se os outros 3 tripulantes ( 50 %) 6 de Fevereiro - O ferry Ro-Ro Turco Und Adriatik (IMO 9215488), de Istambul para Trieste, com 9 passageiros e 22 tripulantes, incendiou-se próximo das águas territoriais da Croácia, 13 milhas a Oeste de Rovinj. Todos os tripulantes e passageiros foram salvos pelo ferry Grego Ikarus Palace. Não é , nem pretende ser exaustivo ,tão pouco quer demonstrar o que não é demonstrável. É somente constatar como vai o ano. Tenho mais umas dezenas muito largas de acidente. Outros terão ainda mais. Siga a Marinha

18 março 2008

SIGA A MARINHA

Tem sido recorrente, neste blog, as fotografias de alguns contentores “ao dependurão”, tipo tem que não te tens ou cai não cai borda fora; Porque os outros, que já foram borda fora e ficam a fazer avarias durante muitos e muitos dias, não reza a historia ; Dependendo das cargas que transportam claro . Ora era de prever que as seguradoras, em primeiro e possivelmente único lugar, tomassem uma posição face ao descalabro que tem sido este transporte por mar. Sabemos que a certificação de marítimos, a todos os níveis, deixa a desejar. Sabemos que a falta de vocação para o mar, não é só nacional ( apesar de os outros países deterem tonelagem própria,importante, a navegar) e que o recurso a outros países, muitas vezes sem tradição de mar, é a única forma de colmatar a enorme falta de pessoal qualificado. Como exemplo, temos a Filipinolândia que não tem capacidade de fornecer mais oficiais e marinheiros para as marinhas mercantes mundiais; Já não dá , sequer, para a prata da casa. Se , a este panorama juntarmos a mistura de nacionalidades dentro de um mesmo navio, temos o “ caldinho” pronto a ser servido; Calcula-se que mundialmente, 85% - 95% dos marinheiros, trabalhem em navios com tripulações multinacionais, com os inconvenientes que daí advém, sendo que a língua, ou a falta de uma, não é de menosprezar. Mas até hoje, este tema tem sido mais ou menos tabu, quer dizer, não se fala, não se questiona, tem-se medo de ser politicamente incorrecto, ou até bem pior, racista. Mas sabe-se que as distancias culturais, pegadas à língua, podem afectar decisivamente a eficiência dos navios, e não será com políticas de toca e foge que as administrações chegam lá. Felizmente, que a nossa nem sabe do que estamos a falar; Valha-nos isso. Mas, em contrapartida, lá por fora, as organizações e seguradoras questionam-se com o aumento de acidentes, e tentam deter de alguma forma a crescente sensação de impotência, que vemos a crescer. No transporte de contentores, o p&I North of England Club chegou à conclusão que dos mais de 16 milhões de dólares de reclamações que deram entrada, somente duas diziam respeito a perda de contentores, mas mesmo assim, perfaziam 30 % do total. O resto, e é muito, deve-se acidentes “” menores” resultantes:
- Má ou deficiente estiva dos contentores, deixando fiadas por pear, não cumprindo com o estabelecido pelos manuais dos navios, nesta matéria.
- Falha dos sistemas automáticos de fecho dos contentores. Manutenção deficiente.
- Valores de carga ( peso) dos contentores mal manifestados. Há um caso em Angola que uma grua virou para dentro do navio, ao descarregar um 40 pés de 36 tons, que se veio a verificar serem mais de 50.
- Deficiente interpretação dos boletins meteo, e igualmente deficiente navegação em caso de mau tempo. Quer isto dizer que já há poucos marinheiros; Particularmente grave, esta constatação, sabendo nós da pressão que os capitães têm, quer nas datas de chegada a porto, , quer nas de saida, a fim de cumprir os contratos ,não deixando que uma força 8 qualquer o impeça de navegar. Ainda muito recente , o exemplo do “ Horncliff ”, navio refrigerado, propriedade da PLUTO Shipping Company ( essa mesmo,do filho da Pluta) , este Fevereiro:
- A navegar da Costa Rica para a Europa, perdeu 60 contentores de 40 pés, a 200 milhas WSW das Scilly Isles. É um navio de 1992, de 12.887 tons de arqueação e bandeira da Libéria, com um comandante da Lituânia, que por acaso teve de ser evacuado por helicóptero, com fractura da coluna, depois de percorrer , num só segundo, toda a largura da ponte.Com o Cmdt. Foram evacuadas mais 6 pessoas.Eventualmente, poderia , em tempo, ter evitado o temporal.

17 março 2008

O ARTEMIS

Cabo de reboque estabelecido
A abrir o canal por onde deverá sair o navio O porto é para aquele lado, parece dizer.....
Dia de S. Navio
Dá uns fins de semana óptimos, ir passear e ver o navio.
Construido em 2003, como navio de carga geral, IMO 9278337 , foi-lhe dado o nome de ARTEMIS. Desloca 3.850 toneladas e tem uma arqueação bruta de 2.545 tons. Destina-se a navegar nas costas Inglesas e todo o Norte da Europa. O que inclui a bacia Mediterranica.
No dia 11 de Março, devido aos fortes ventos que nessa noite se fez sentir, deu à costa com tudo o que tinha, e que não foi pouco. Les Sables d'Olonne, região repentinamente enriquecida com este troféu de Neptuno.
Foram feitas 3 tentativas para o remover , sem resultados. Na tarde de 12 de MArço, durante a terceira tentativa, conseguiu-se rodar o navio cerca de 40 graus, mas a seguir o cabo de reboque partiu.
Não há certezas quanto ao desenrolar do salvamento, mas não há águas vivas tão cedo. Só ABRIL, lá pelos oito.
A tripulação foi pelo seu pé ( literalmente) para casa.Estranhamente, os nossos media não dedicaram muito esforço a este caso. Será do Menezes, ou excesso de broncas por cá?
As fotografias, claro , são das netes.....

15 março 2008

O FALCÃO D'ALBARRAQUE

Agora de manhã, ha muito pouco tempo.
Só tardiamente descobri que eram dois. Creio que um matou no solo para o outro vir recolher. Depois foram os dois para a serra.

14 março 2008

ALERTA TINTO

Mais um exemplo de uma embarcação em ALERTA TINTO. Só quando se acabar é que saio daqui, diz o skipper desta nave.

DOCA DE ALCANTARA

No dizer de alguns.

VONTADE DE PARTIR

Chega-se sempre com tudo molhado. Só mesmo o SOL DE LISBOA para secar estas almas.
Não importa quantos são à partida. O tamanho e vetustez dos equipamentos e embarcação também não deve pesar muito; O que é preciso é partir, salgar as ideias do ensonso e sem sabor quotidiano em terra.
Doca do Espanhol, como já se viu; Por vezes é o centro do mundo

13 março 2008

ALERTA

Com inicio já amanhã , dia 14 de Março de 2008, fica decretado em todas as embarcações com cozinha o ALERTA TINTO, que passará a vigorar até haver condições de se passar para o ALERTA BRANCO, ou VERDE TINTO, vá lá, e que se prevê acontecer lá mais para o verão, ou Primavera, ou um dia destes. Evitam-se assim desgraças que não enobrecem ninguém, só molham!

11 março 2008

ILHAVO - A GRANDE

E eles lá conseguiam ir a qualquer lado sem passar por ali.... Bão ber a ponte do Joao Dabide... Só por isto, vou moer a cabeça a estes tipos cá do burgo!

10 março 2008

LUSITANIAS

Alguém se lembrou de lhes dar o nome deste cantinho do mundo. Naufragaram todos , à excepçãp de um LUSITANIA, construído para a Ellerman & Bucknall, do qual se perdeu o registo com uma venda em 1880.
O primeiro Lusitania, construído em 1853 em Birkenhead , por John Laird para a South American and General Steam Navigation Co.
Vendido em 1854 para a Messageries Imperiales, Marselha, e alterado o nome para Hydaspe. Viria a perder-se no arquipelago de Singapura, em 1864. Seguidamente, aparece outro Lusitania em 1867 , o tal que se perdeu o rasto com a venda. Armava em BARCA.
Em 1871, e em Birkenhead ( Liverpool), é construido outro Lusitania, de 3.877 TAB, com 116 metros de comprimento e 12,6 metros de boca. Possuia um só hélice, e atingia os 12 nós de velocidade de serviço. Além da máquina a vapor, dispunha ainda de 3 mastros a envergar velas redondas .
1906 vê aparecer 2 Lusitanias. Um, modesto, para a nossa Empreza Nacional de Navegação (Bensaude & Cia, Lima, Mayer & Cia and Ernst George) , de 5,557 TAB. Naufragou no Cabo. Crê-se que o farol de CAPE POINT, mandado construir em 1860, foi mudado para DIAS POINT, após o naufragio do Lusitania. Com efeito, em Cape Point, o farol estava constantemente encobertro, devida às nuvens ou ao nevoeiro. A sua altura em relação ao mar ( 238 metros ) conferia-lhe essa particularidade. É após o acidente do Lusitania que se dá a mudança, ficando agora sómente a 86 metros do mar.
O outro Lusitania, , de 31.550 TAB, construído em Glasgow tinha 232.3 metros de comprimento por 26.8 mteros de boca. E era a jóia do momento.
Tinha 4 chaminés que lhe davam uma enorme imponencia. A velocidade era de 25 nós.
Distribuia os passageiros pelas 1º Classe – 563, 2ª Classe - 464 e 3ª Classe 1.183. Logo na viagem inaugurau bateu os records de travessia tanto para Oeste como para Este. A sua viagem mais rápida foi de 4 dias, 16 horas e 40 minutos. No dia 7 de Maio de 1915 foi torpedeado pelo submarino alemão U 20, próximo de Old Head of Kinsale, tendo perecido 1.198 vidas.
Anuncio divulgado pela embaixada alemã, em Washington DC: NOTICE! TRAVELLERS intending to embark on the Atlantic voyage are reminded that a state of war exists between Germany and his allies and Great Britain and her allies; that the zone of war includes the waters adjacent to the British Isles; that, in accordance with formal notice given by the Imperial German Government, vessels flying the flag of Great Britain, or any of her allies, are liable to destruction in those waters and that travellers sailing in the war zone on the ships of Great Britain or her allies do so at their own risk.
IMPERIAL GERMAN EMBASSY,