30 outubro 2006

AVENTURA EM LISBOA

É assim que recebemos os turistas; No meio dos contentores; Porventura, alguns serão descarregados em paletes, dando algum sal a estas visitas insípidas....
Esta zona de Alcantara, tem tudo o que é necessario - Terminal de paquetes - para receber os navios de turismo; Vai-se deitar tudo abaixo, para ampliar a area de parque dos contentores....
Xabregas sur mer, essa bela localidade, tem tudo - sempre teve - o que é necessario para receber os varios tipos de carga..... Vai-se deitar tudo abaixo, para fazer um terminal de navios de cruzeiro....
OBRAS, OBRAS - E tudo com o dinheiro do Zé.... malbaratado , só com o afã de criar obras que financiem os partidos e os bolsos de alguns.
Siga a marinha

AINDA O SABADO EM ALCANTARA

Após uns dias a banhos nas praias de Peniche, eis que o trambolho dá ao cais em Alcântara...

É uma barcaça, deve levar para aí umas 3.000 toneladas de carga, contentores talvez, e falta encaixar algumas peças para o por fininho....

29 outubro 2006

PRINCIPE PERFEITO

Tem um fardo pesado, o de levar tão grande nome pespegado na lata; Até porque, a julgar pelo que vi ( e se vê) , lhe falta pedigree, na traça e no resto; Arma em escuna ( Lugre) - ou assim me pareceu. Não sei o que vai fazer, e para onde vai. Mas é meritória a ideia -peregrina- de levar as pessoas a passear; Só que há uma miriade de " coisas" a fazer, nos concelhos e freguesias ribeirinhos ( no caso da grande Lisboa), para atrair o turismo; SÓ ANDAR DE BARCO NÂO DÁ!!!! pelo menos em termos de futuro. Mas outros deverão saber adjectivar mais e melhor.... Eu boto as imagens

27 outubro 2006

BISSAYA BARRETO

Creio que agora está mais esticadinho, assim mais asseadito, não é? Não deve ser muito diferente do original; Espero que gostem

26 outubro 2006

TÃO GEMEOS QUE ERAM

A resposta ao nosso amigo do comentário está aqui; É de facto o mais gémeo possível. Já o Bissaya Barreto, saiu torto , penso que devido à fotografia estar " esticada " no sentido da altura. Em cima está um conjunto dos CRCB, onde inclui o COVA DA IRIA , navio que desapareceu ao largo dos Açores, após a sua sexta campanha, creio eu. Toda a tripulação foi salva pelo Inácio Cunha, sob o comando do Cap. João Labrincha.

25 outubro 2006

ELIZABETH E O INACIO CUNHA

São dois dos navios por onde o meu pai passou; E mais alguma familia tambem; São gêmeos, isto é, feitos do mesmo desenho, se bem que, a bem ou a mal, acabavam sempre por ter algumas diferenças mais ou menos notórias. O Elizabeth, baptizado com o primeiro nome da senhora Tenreiro, veio a dar o nome a um arrastão, anos mais tarde, já após a revolução do 25 de Abril.

24 outubro 2006

SANTA MARIA MANUELA A MOTOR

No “defeso “ de 1967, são retirados ao navio dois mastros, e passa a navegar só a motor, pelo que recebe uma máquina principal nova com 550 cavalos. Aqui a navegar em St. Johns, NFLD A fotografia , já era má, mas como foi fanada a uma revista......

SANTA MARIA MANUELA

Na primeira fotografia, vê-se o SMM em fabricos, durante o Inverno de 64/65 ,na Gafanha, onde se lhe construiu e montou a gaiuta que irá servir de ponte de comando, e lugar onde ficarão instalados a giro, (bussola que marca sempre o Norte verdadeiro ), o radar, sondas, radios, etc; Modernamente seria uma lista enorme, mas ao tempo , era o que havia.
Ao lado , o navio atracado en S. Johns na NFLD ( Terra Nova), no que se chamava o cais do gasóleo. Aqui o navio já embarcava creio que 6 lanchas, para a pesca com redes de emalhar.
Este tipo de pesca, apesar de selectivo e menos intrusivo que o arrasto, por exemplo, nunca foi acarinhado , talvez pela quantidade enorme de redes perdidas e não recuperadas, que ficam no fundo a matar....

23 outubro 2006

LASER - WET,WET,WET

A minha tripulação disse-me que estava a chover, que não dava jeito, deitei-me tarde, disse um proboscídio, esta semana não posso....
FOI O QUE PERDEMOS.....
Além de não ter lavado as velinhas, que estão a precisar.....

JOD 35

É como digo, as imagens não nos dão a ideia da força que se via nas barcoletas.... Fiz o que pude.....

AVÉ MARIA

Os JOD 35 em pé de guerra; Mas já com a roupita de inverno.... São bonitos; O Avé Maria é o mais bonito de todos, não é??

A equipagem é aguerrida,

INTERVALO PARA O TEJO

Nem o dia nem a luz se adequavam à fotografia. Mas, apesar de tudo, de tão feio o tempo, estava bonito; Muito vento, e muitos barquinhos, mesmo assim, nesta regata musculada. Algumas bordas na água....

20 outubro 2006

O SANTA MARIA MANUELA NA PESCA

O "Santa Maria Manuela" foi vendido pela Empresa de Pesca de Viana no final da campanha de 1964 para a Empresa de Pesca Ribau, de Aveiro. À epoca, o navio ainda não usava pano redondo, no traquete; Dá ideia disso. Esta fotografia, creio que é uma novidade, pelo menos da forma como é mostrada, com o nome do navio mostrado da forma correcta. Triangulo de tempo, para aprorar ao vento.

O SMM NAS BOCAS DO POVO

O Santa Maria Manuela é um lugre de 4 mastros construído nos estaleiros da Companhia União Fabril, em Lisboa durante 1937 , EM 60 (!!!!!) DIAS para Empresa de Pesca de Viana, que o manteve até 1962.
Ao que parece, foi construído com o aço previamente adquirido para a construção de 2 navios para a Armada, e que por motivos que desconheço,( mas imagino) nunca passaram do desenho. Quem aproveitou foi o Santa Maria Manuela e o Creoula, que assim ganharam forma.

Este desenho foi básicamente roubado do site da ANC, a quem eu agradeço.

O SANTA MARIA MANUELA

Após a sua ultima viagem à pesca do bacalhau, pelos mares e portos do norte do Canadá, o navio apresentava esta imagem que em cima se mostra. Bastante diferente , a que se mostra na outra fotografia ( fez-se o melhor possível), com o aparelho original; Como tem o pano ferrado, tudo bem arrumado a bordo, e ao que parece uma pipa ao penduricalho no mastro de traquete , tudo me leva a crer que se trata de uma fotografia de chegada a Portugal.

10 outubro 2006

MAU TEMPO

Esta é minha, com uns bons 13 a 14 anos, no mar do norte, creio eu; É um navio de produtos, sai em qualquer tempo, e abrigos lá para cima não há.
As fotografias do tempo são SEMPRE muito dificeis: ou porque há muito spray no ar e a visibilidade é consequentemente curta, ou porque não temos condições de ter a máquina junto - balanços, sobrecarga de funções , atenção e, não menos importante, o susto que vem agarrado a estes dias.

09 outubro 2006

BARREIRO SHUTTLE

Parece que há um Moinho (?) que se dá mal com a aguagem dos hidrojactos ( é assim, não é?)...

MARÉS VIVAS

É sujo, mas é inocente....
A maior parte deste lixo, degrada-se muito rápidamente, e até ajuda; Que o digam as gaivotas à boleia dos madeiros e os peixes à sombra de outros, que não dos mesmos, pois arriscam-se no minimo, a levar uma bicadita.....
Havia muito disto. na água.... Mas inofensivo; Bem pior é a "agua lavada", que os municipios mandam constantemente para o rio. Mete nojo....
Reconheço melhorias.... Já lá não nada o Marcelo R.S. , por exemplo!

REGATA DO PONTÃO OITO

Muita corrente, durante a vazante de Sabado e de Domingo.
No Sábado, tivemos a regata do PONTÃO 8, da marina de Alcantara, que de alguma forma retirou a visivilidade e protagonismo à regata da Associação Naval de Lisboa ( ANL). Também era uma regatita que nem eles sabiam onde começava e ababava....Pelo nooso lado, demos a volta à boia 1 do Alfeite e voltámos à base, para comer uma deliciosa MASSADA DE CHERNE; Confirmaram-se os meus receios de manobras de secretaria: Barcoletas de motor ligado, se bem que devagarinho, segundo palavras do próprio ; Outras, com 4 ( quatro sim) velas; Um verdadeiro desaforo; Se já não bastasse andarem a regatear com 2 mastros.... É claro que assim, o mais comum dos mortais não tem a minima hipótese de chegar ao pódio.... Apesar de tudo, e mal grado as manobras pontuais desta malta do pontão, conseguimos acabar a regata, com a cerveja na reserva, é certo, e a horas de nos sentar-mos à mesa da FRAGATA AFONSO DE ALBUQUERQUE. Foi a segunda edição desta memorável prova, que esperamos para o ano seja ainda mais merecedora dos adjectivos ( poucos) que se gastaram no almoço.
O Domingo foi sem história; Menos vento ainda, e andar à vela sem sair do mesmo sitio; Ou então andar para trás.... E a comer sanduiches de atum, que são deliciosas....

NÃO SEI O NOME

É outro belo barco (eta); Todo em aluminio, o que no convés causa alguma surpresa; Deve ser, pelo que mostra, um naviozinho óptomo para navegar contra o vento; Não ´é dos alíseos, não....

LISBOA ESTE FIM DE SEMANA

Está em Liosboa , carregado de miudos É uma armação por demais conhecida, ca entre as nossas gentes.

06 outubro 2006

MAU TEMPO

Nem sempre o MAU tempo cai desbragado com vagas e vagalhões ( a maré está vazia) a partir tudo e todos; AUm grande numero de registos, aponta sempre para mar desencontrado, vaga larga e balanços terriveis, como a fotografia mostra; É muito antiga, é certo, mas informativa. Se se colocar o mar na horizontal, repare-se como está o navio; 45 graus, mais coisa menoas coisa. Os navios de desenho moderno, ficariam por lá; Dificilmente recuperavam .

03 outubro 2006

ONDAS GIGANTES II

Proa danificada por uma das ONDAS GIGANTES; É uma avaria séria, talvez mais de alguma coisa que viesse na onda; Mas parece que foi arrancado, com abre latas, não é???

CORRER COM O TEMPO

Capacidade de manobra reduzida - regra 27 do Regulamento Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar . Tem o mar por detrás, o que deve ajudar o cozinheiro a preparar a refeição.
Pela fotografia é força 8 garantida.

ONDAS GIGANTES

Crê-se que esta fotografia seja original e veraddeira; A sê-lo , trata-se de uma onda gigante ( às vezes chamadas freak waves) , a vir pela popa deste navio. Esta fotografia esteve muitos anos fechada, possivelmente para não sei o quê. O navio é da decada de 30, ou inicio da 40. Arrasavam tudo.

ONDE ESTÁ O WALLY''''

Esta rapaziadatoda olha para quê?? E para onde?? Aceito respostas, ao apartado....

MAR AMARGO

Pois o mar também sabe ser duro, e a factura normalmente é alta. Esta noite, perdeu-se um veleiro nas rochas de Leixões. Possivelmente, iria a entrar, a fugir ao tempo, e encalhou de encontro às rochas, lá ficando, e levando consigo os seus tripulantes. Não sei como as coisas se passaram, mas sei, que como sempre, as buscas não puderam ser realizadas devido ao estado do tempo; Ou ao facto de ser noite. Ou não haver meios; Ou a não.... Repito que não sei como as coisas se passaram e falo só por raiva; Da incapacidade que temos ( congénita) de lidar com estas situações; Desde 1975 que conheço o mar profissional e a brincar , e sempre, mas sempre, pedi a Deus, ou a quem estiver de serviço na ocasião, que, a acontecer-me alguma coisa, que fosse lá para cima, para os mares da civilização; Podia até ser mesmo aqui ao lado em Espanha, mas aqui não, que eu sempre soube que não havia ninguém ou nada que me pudesse valer. Iria com toda a certeza ser de noite, ou as condições de tempo não o iriam permitir, etc, etc.... a ladaínha de sempre. Não sei se foi o caso agora, mas foi mais um caso. Agora também ( e talvez) se perceba o porquê das empresas de rebocadores do porto de Lisboa terem sido TODAS comprados pelo Holandês ( não, não foi o flying Dutchman) . Os bombeiros não terão a preparação necessária para este tipo de incidentes.- de facto, só com MUITÍSSIMOS anos de mar é que se começa a compreender esse colosso - nem têm que a ter; Há sim quem tenha, por legislação essa incumbência; Se não podem, que aluguem, que subcontratem! Para mim quer-me parecer que no regime de voluntariado, portanto SEM CUSTOS, se deverá encontrar a solução; Como já houve, e estupidamente já não há. Um pequeno aparte, e um relato do que me contaram ser verídico: há já alguns anos, era eu Imediato do ECO GUADIANA, sob o comando do Cap. Campos, ( saudades) ouvi a seguinte historieta: -Recebeu-se uma chamada telefónica aqui em Lisboa na empresa que funcionava como AGENTE ( forwarding agent) , de um navio ao largo da nossa costa, a pedir transporte urgente para um tripulante com uma mão quase decepada; Os rapazes na empresa fizeram o que sabiam, e há que desencantar um helicóptero para o efeito. Contactada uma base aérea, quem atendeu não sabia onde estava o Oficial de Dia, e portanto não podia assumir a responsabilidade; Dada a insistência das várias chamadas que foram sendo feitas ao nosso homem da base , sabem a resposta dele à urgência?? E quem paga a gasosa do bicho??? O navio, esse, foi até Lagos, incrementou-se o turismo Algarvio em 1 baleeira e 6 homens ( um ferido, é certo), e a mão, ou foi colada ou arranjada no hospital lá de baixo, isto passadas umas boas 12 horas (pelo menos) após o incidente. Agora pensem.....